Select Language

Check Application Status
en

Resource Zone

O seguro permitiu a morte digna de uma jovem

Stuart Shee Yew Kuen

Rate 1 Rate 2 Rate 3 Rate 4 Rate 5 0 Ratings Choose a rating
Please Login or Become A Member for additional features

Note: Any content shared is only viewable to MDRT members.

Quando uma mulher de 26 anos recebe um diagnóstico terminal, Stuart Shee Yew Kuen fica grato por ela ter comprado uma apólice de seguro.

Em 13 de outubro de 1998, eu recebi uma ligação que mudou minha vida para sempre.

"Stuart, eu estou pronto para morrer?"

O nome dela era Juwita, mas eu costumava chamá-la de “minha luz do sol” porque ela sempre colocava um sorriso em meu rosto toda vez que nos encontrarmos. Ela estava a um mês de seu aniversário de 26 anos quando foi diagnosticada com câncer de mama terminal.

Quando entrei neste setor, eu era recém-formado na Universidade Nacional de Cingapura e quase todos os meus clientes tinham mais ou menos a idade de Juwita. Usei uma apresentação simples que ajudou meus clientes em potencial a visualizar os efeitos potenciais de uma "morte econômica" e os efeitos nas vidas dos entes queridos. Juwita havia comprado uma apólice comigo.

Agora, Juwita era elegível para uma reivindicação de sua apólice de seguro de vida, que acelera os benefícios de morte após o diagnóstico de uma doença crítica.

Alguns dias depois, quando entreguei o cheque de indenização para ela, fiquei emocionado. Ela gentilmente envolveu suas duas mãos nas minhas e disse: "Stuart, não chore por mim. O que você fez por mim, ninguém mais no mundo pode fazer e eu realmente quero agradecer por isso.”

A partir daquele momento, soube que não poderia mais encarar essa profissão como um trabalho. Naquele momento, eu soube a minha missão era empoderar as pessoas, ajudando-as a tomar o controle de suas vidas e responsabilidades financeiras.

Eu abracei e imprimi esta declaração no verso do meu cartão de visita. Por fim, essa também se tornou o propósito de minha agência.

Todo mundo adora contos de fadas porque os personagens sempre vivem felizes para sempre. No entanto, esse não foi o caso de Juwita. Recebi um telefonema de sua irmã, em 13 de fevereiro de 2000, dizendo que Juwita gostaria de se encontrar comigo. Ela não estava bem.

Com uma mistura de emoções, eu a encontrei deitada em uma cama com tanques de oxigênio ao lado e uma máscara sobre o rosto. Seu irmão tirou a máscara de oxigênio e se abaixou para ouvir o que ela gostaria de dizer.

Com lágrimas nos olhos, ele disse: "Juwita gostaria de se sentar mais uma vez para agradecer a você por permitir que ela morresse em casa e não no hospital ou em uma instituição de caridade”.

Eu só consegui dar um tapinha em sua mão e disse-lhe para não dizer mais nada pois tudo ficaria bem, embora eu soubesse que era o fim. Momentos depois, ela se foi e eu nunca a esquecerei.

O seguro de vida permitiu que ela morresse com dignidade, rodeada pela família.

Stuart Shee Yew Kuen é membro da MDRT há 22 anos, de Cingapura. Entre em contato com ele pelo e-mail stuartsyk@gmail.com. Ele palestrou na Reunião Anual e Conferência Global Virtual da MDRT 2020. Assista ao vídeo na Zona de Recursos em mdrt.org.

 

{{GetTotalComments()}} Comments

Please Login or Become A Member to add comments