Select Language

Check Application Status
en

Resource Zone

O que um piloto, um estudante e um pai têm em comum?

Matt Pais

Rate 1 Rate 2 Rate 3 Rate 4 Rate 5 0 Ratings Choose a rating
Please Login or Become A Member for additional features

Note: Any content shared is only viewable to MDRT members.

Todos aprenderam lições com pessoas de outras funções para desenvolver serviços financeiros bem-sucedidos.

NÃO É SEGREDO que os membros da MDRT aprenderam uma quantidade sem fim de técnicas para desenvolverem melhor seu trabalho, mas eles também aprenderam muito com as experiências que tiveram além da atuação como consultores. Em uma gravação recente do Podcast MDRT, três consultores discutiram outras funções que desenvolveram e as lições que agora aplicam à sua prática.

Edward M. Burnett, RICP
Membro da MDRT ha cinco anos, de Kenosha, Wisconsin
Função: Piloto profissional
Lição: A importância do foco

No mundo da aviação, temos uma coisa chamada cabine esterilizada. Durante a operação do avião, entre o momento em que você liga os motores e entra nos procedimentos de taxiamento, decolagem e subida, não pode haver conversas na cabine, exceto as relacionadas ao voo, até os 10.000 pés. Uma vez atingidos os 10.000 pés, a conversa está liberada.

Quando preciso de uma cabine esterilizada no meu escritório, eu fecho a porta. Desligo o meu telefone. Fecho meus e-mails, para poder me concentrar nas coisas que preciso fazer.

Temos seis consultores e o pessoal do atendimento ao cliente no prédio. Somos amigos há muito tempo. É muito fácil conversar sobre os filhos ou o que fizemos nos fins de semana.

Todos adoramos fazer isto, mas se for um dia em que determinadas coisas precisam ser feitas, eu sei, logo quando chego, que preciso me livrar das distrações e ninguém no prédio se importa quando eu fecho a minha porta. Isto quer dizer apenas que eu não posso participar das conversas naquele momento. Precisamos ser capazes de nos concentrar, e é algo que eu acredito que todos precisam ter em mente, de forma consciente".

Yakov Baylis, CLU, ChFC
Membro da MDRT há dois anos, de Downers Grove, Illinois
Função: Estudante em uma escola com turnos cansativos de 12 horas
Lição: Ética no trabalho

Eu frequentei uma escola judaica quando era criança. No ensino médio, o período letivo começava às 7:30 da manhã e só terminava às 8:15 da noite. Acredito que a ética que aprendi frequentando uma escola por mais de 12 horas por dia, e ainda tendo trabalho em casa, realmente me preparou para ingressar neste negócio. Porque quando você está começando, você realmente precisa se esforçar muito, e onde aprendemos o compromisso de nos dedicarmos por completo à nossa atividade? Eu diria que a experiência na escola realmente foi a resposta para mim. Ela me ensinou um meio de vida.

Iniciávamos as atividades às 7:30, com orações. Em seguida, tomávamos o café da manhã e iniciávamos os estudos religiosos por toda a manhã, até a hora do almoço. Então, tínhamos aulas de hebraico e, por volta das 3:00, começava a aula de inglês, que ia até às 6:30 da tarde. Três dias por semana, tínhamos mais uma hora de estudos depois do jantar. Na quinta-feira, ouvíamos discursos e costumávamos ficar até mais tarde, ou até passar a noite na escola.

Eu sei que o índice de falhas neste negócio está na faixa dos 90%, infelizmente. Sempre nos dizem que não é um trabalho das 8 às 18. Mas, na verdade, é um trabalho em tempo integral sim. Você precisa de alguma coisa para te motivar. Eu também sei que quando entrei no ramo, ninguém acreditava que eu seria bem-sucedido. E aqui estou eu, membro da MDRT há anos".

Russell L. Clousing, CLU, ChFC
Membro da MDRT há 26 anos, de Chicago, Illinois
Função: Pai de quatro filhos
Lição: Separar os grandes problema dos pequenos

Tínhamos quatro filhos com menos de 6 anos de idade em casa. Portanto, foi o caos total, por muito tempo. É como se nos acostumássemos a apagar incêndios o tempo todo. Em um dia normal, eram três ou quatro incêndios, nada demais.

Você aprende a priorizar, e esse processo força você a descobrir se algo é importante ou problemático. É uma obrigação? É algo que precisa ser tratado agora ou pode ser feito por outra pessoa? Ou existe uma forma de lidar com isto, para que eu possa seguir em frente?

Isto força a pessoa a um processo de tomada de decisões que é facilmente transferível para o trabalho, em termos de como lidar com as coisas e como trabalhar com as pessoas. Suas preocupações precisam de atenção, mas é preciso priorizar também e administrar seu negócio para lidar com tudo isto.

CONTATO

Yakov Baylis yakov.baylis@prudential.com

Edward Burnett ed@theschaeffergroupllc.com

Russell Clousing rclousing@crmsvcs.com

 

{{GetTotalComments()}} Comments

Please Login or Become A Member to add comments